AGRO É TECH!

Tanque de barro é proposta sustentável para cultivo de peixes na Amazônia

A proposta do tanque de barro tem baixo custo, é totalmente sustentável e não necessita de grandes áreas para ser implantado.

Famílias de agricultores rurais das comunidades Expedito Ribeiro e Abril Vermelho, em Santa Bárbara do Pará, na Região Metropolitana de Belém (RMB), estão trabalhando em parceria com a Empresa de Assistência Técnica de Extensão Rural do Estado do Pará (Emater) na implantação de tanques de barro para o cultivo de peixes. O projeto é totalmente sustentável e busca contribuir com a segurança alimentar e nutricional das famílias, além de promover a geração de renda. A coordenação do projeto é do escritório local de Santa Bárbara.

Segundo o engenheiro de Pesca da Emater e responsável pelo projeto na comunidade Abril Vermelho, Rogério Carvalho, a proposta do tanque de barro tem baixo custo, é totalmente sustentável e não necessita de grandes áreas para ser implantado. “Não precisa escavar, já que são tanques suspensos. A argila é retirada da propriedade, sempre respeitando o espaço para não ter alteração no meio ambiente. Além disso, pode-se utilizar, ainda, papelão e garrafa pet – de onde se retira fios para amarrar a madeira, que também é reaproveitada”, explica Carvalho.

O tanque de barro tem a proposta de, futuramente, seguir o mesmo exemplo do “sisteminha” da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) – uma solução integrada, que pode ser adaptada às necessidades, experiência e condições do produtor. Nesse contexto, o projeto passa pela diversificação das atividades para a produção alternativa de alimentos, já que 10% da água utilizada num tanque pode ser reaproveitada como adubo para hortas e outras culturas frutíferas, de acordo com a disponibilidade e necessidade do produtor.

“Inicialmente, os trabalhos foram realizados mediante reuniões de socialização e, posteriormente, seleção dos agricultores familiares interessados e aptos a receberem pequenas unidades demonstrativas”, explica o chefe do escritório local, Carlos Alberto. Ainda de acordo com Alberto, o projeto, ainda em fase inicial, vai possibilitar a validação e consolidação da tecnologia como mais uma modalidade alternativa a produção racional e sustentável de pescado na região, “fortalecendo elos da cadeia produtiva aquícola regional e melhorando a qualidade de vida das famílias envolvidas”.

Unidade demonstrativa – Na propriedade do produtor Samuel Cordeiro, da comunidade Abril Vermelho, localizada a 15 km do centro de Santa Bárbara, a unidade demonstrativa do tanque começou a funcionar no início de outubro e o processo está sendo acompanhado de perto pelo engenheiro de Pesca Rogério Carvalho. Essa fase dura cerca de 90 dias e serve também para realizar ajustes no sistema. Quando pronto, o produtor pretende trabalhar especificamente com as espécies tambaqui e pirarucu.

“Para isso, pretendo construir mais três tanques. Vai gerar renda para minha família. É importante reforçar o trabalho dos técnicos da Emater, que me acompanham desde o início”, pontua. Na propriedade de Samuel, o tanque foi povoado com peixes juvenis de peso médio de 20g, que serão monitorados pelos técnicos uma vez por semana durante três meses. O acompanhamento serve para fins de avaliação biométrica dos animais, estado de saúde, ajustes na alimentação, além de parâmetros físicos, químicos e biológicos.

“A ideia é que parceiros se interessem pela proposta, para alcançar público de outras comunidades rurais do município de Santa Bárbara. Futuramente, queremos trabalhar com os agricultores o crédito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf)”, comenta Carvalho.

Capacidade – Um único tanque de barro atende uma capacidade hídrica de até 10 mil litros de água, porém são utilizados, em média, nesta fase inicial, 8 mil. Além disso, o sistema recebe um tratamento para uso de decantadores, além de filtros mecânicos e biológicos alternativos. Isso ajuda na manutenção da qualidade da água e na saúde dos peixes. Dentro dessa proposta, a piscicultura poderá, ainda, integrar-se a proposta de fertirrigação durante o processo produtivo. Esse processo é uma técnica de aplicação simultânea de fertilizantes e água, através de um sistema de irrigação.

Extensão – O trabalho de acompanhamento dos técnicos da Emater passa pelo processo de fortalecimento das atividades de assistência técnica desenvolvidas nas comunidades atendidas. Aos agricultores, são apresentadas metodologias e ferramentas que facilitem a gestão participativa. “Nesse sentido, a Emater acompanha o agricultor familiar como um ser social e que necessita ser trabalhado como um todo”, destaca Rogério Carvalho.

Já estão previstos a implantação de mais duas unidades demonstrativas de tanque de barro nas comunidades de São Paulo das Pedrinhas e Expedito Ribeiro, também no município de Santa Bárbara.

Coment√°rios